segunda-feira, 25 de novembro de 2013

TEATRO: HINO NACIONAL



P1 e P2- Entram em cena cantando o Hino. (canta apenas a primeira estrofe)

P3- (Entra em cena toda esplendorosa)

P1 e P2- Quem é você?

P3- Eu sou essa pátria amada que é idolatrada, adoro quando vocês falam que eu sou um sonho intenso e um raio vívido. Que hino maravilhoso.  Quem escreveu? Quem escreveu? Quem escreveu?

P4- Quem escreveu foi Joaquim Osório Duque Estrada e a música foi de Francisco Manoel da Silva. Uma homenagem a você.

P3- Que declaração de amor fantástica.  Este hino me exalta, me glorifica, me fortalece.  Vocês me chamam de mãe, fico até emocionada !!!!

P5- Entra no cenário correndo

P3- Quem é você?

P5- Eu represento seus risonhos e lindos campos que têm mais flores e seus bosques que tem mais vida.

P6- Entra correndo no cenário

P3- Quem é você?

P 6- Eu represento seu povo heroico o brado retumbante, seu filho que não foge à luta, nem teme e te adora a própria morte.

P1 e P2- (Apontando para a bandeira) e diga o verde louro dessa flâmula- Paz no futuro e glória no passado.

P3- (Batendo palmas) a que lindo! Espera aí, mas paz no futuro e glória no passado... E o presente? Será que eu tenho sido uma boa mãe? (espanto) Nossa! (apontando para uma parte da plateia) estou vendo gente passando fome ali. (vira-se para o outro lado) Nossa! Estou vendo gente na fila do SUS ali! (apontando para toda a plateia) Nossa estou vendo muitas desigualdades aqui. (entristece-se)

P6- Não fique triste não. Apesar de tudo você é nossa mãe.
(Todos cantando) Terra adorada. Entre outras mil, és tu Brasil, ó pátria amada. Dos filhos deste solo é mãe gentil. Pátria amada Brasil. (Abraçam P3 e saem do cenário)



O SURGIMENTO DE UMA NOVA ERA


 

As Grandes Navegações e descobertas abriram um nova era na História da humanidade. Elas marcaram o fim da Idade Média e o início da Idade Moderna. Para os povos e civilizações "descobertos" pelos europeus, foi uma fase de invasão, ataques e destruição sangrenta. No entanto, nossa visão de mundo-das artes às ciências, do pensamento aos costumes, da noção de universo ao conceito de humanidade- é, de alguma forma, consequência das viagens iniciadas por Vasco da Gama e Cristóvão Colombo.

terça-feira, 5 de novembro de 2013

HISTÓRIA DO DINHEIRO


1- Na Antiguidade, as pessoas não usavam dinheiro para fazer suas compras. Não havia moedas nem notas. As pessoas usavam o sistema de trocas para adquirir aquilo de que precisavam. Tudo era negociado: chás, pedras, objetos, etc. Esse tipo de negocio era chamado de escambo.

O sal de Roma antiga era utilizado como moeda para comprar objetos, roupas e até para fazer o pagamento de soldados. A esse tipo de pagamento dava-se o nome de salarium.  Se você lembrou da palavra salário, lembrou bem. O termo salário se originou da palavra salarium.

Porem, como toda evolução, esse tipo de troca passou a não funcionar. As pessoas começaram a ter dificuldades em avaliar as trocas. Foi então que por volta de 700 a.C surgiram as primeiras moedas em prata.

As moedas tinham o seu valor especifico, assim como hoje,. Somente mais tarde, mais ou menos 600 d.C é que surgiram as notas.

a-  O que era o  escambo?
b- camo surgiu a palavra salário?
c- Qual era a utilidade do sal em Roma?
d- Quando foram confeccionadas as primeiras notas?



segunda-feira, 4 de novembro de 2013

ADMINISTRAÇÃO DO BRASIL COLONIAL



A primeira forma de Administração realizada por Portugal no Brasil foi elaborada por Dom João III em 1534, o que denominamos de Capitanias Hereditárias. Foi assim que teve inicio a colonização regular da colônia (Brasil). Esse sistema não havia sido algo novo, ela já tinha sido testado em outras colônias portuguesas, como em algumas ilhas no atlântico.

O território foi dividido em 15 faixas de terras doadas aos donatários e esses podiam explorar os seus recursos, mas ficavam encarregados de povoar, proteger e estabelecer o cultivo da cana-de-açúcar, tudo isso com recursos particulares das próprias pessoas que recebiam as terras, pois todo o capital português estava voltado para o investimento no comércio oriental. Essas terras eram passadas a particulares que tinham o interesse em vir colonizar o Brasil com seus próprios recursos de duas maneiras: as cartas de doações e os forais. O primeiro realizava a doação do lote ao donatário e especificava quais os poderes de que ele estava investindo. O segundo determinava os direitos e os deveres dos donatários. A capitania não poderia de forma alguma ser vendida, e o estado português poderia a qualquer momento retomá-la.

Esse sistema fracassou devido a grande distância da metrópole, da falta de recursos e dos ataques indígenas e piratas.

Após essa tentativa de fracassada de estabelecer as capitanias hereditárias, a coroa Portuguesa estabeleceu no Brasil o que denominaram de Governo Geral em 1548. Essa forma administrativa tem como característica centralizar a administração, assim poderiam ter um maior controle da colônia. Mas principalmente impedir os abusos de poder por parte dos donatários. As capitanias hereditárias foram transformadas assim em capitanias gerais.

O primeiro governador geral foi Tomé de Souza, que recebeu a missão de combater indígenas rebeldes, defender o território, procurar jazidas de ouro e prata, e também aumentar a produção agrícola.

Nesse período começaram a surgir as câmaras municipais, que eram órgãos políticos compostos pelos “homens-bons”, que eram homens ricos, proprietários de terras que definiam os rumos políticos das cidades Brasileiras, já que as massas mais populares do Brasil não poderiam participar da vida pública nesta fase.

A instituição municipal também eram compostas por um alcaide (palavra de origem árabe, e que designa um magistrado), que tinha funções administrativas e judiciárias, eram compostas por juizes ordinários, vereadores, almotacés (funcionários de confiança) e os homens-bons.

O governo durou até a vinda da família real para o Brasil em 1808, apesar de algumas tentativas de divisão que ocorreram, primeiramente na Bahia e logo após no Rio de Janeiro, que durou de 1573 a 1578.

A partir de 1720 os governantes gerais passaram a utilizar o título de vice-rei, que lembrava menos um funcionário executante de ordens e parecia a própria personificação do sagrado poder monárquico.



ATIVIDADE

DEPOIS DE TER LIDO O TEXTO RESPONDA AS QUESTÕES A SEGUIR

1- Qual foi a primeira forma de administração realizada por Portugal no Brasil?

2-  Como era dividido o território e o que os donatários podiam?

3- Quais as obrigações dos donatários?

4- Quais as diferenças entre a Carta de Doação e o Foral?

5-  Por que as Capitanias Hereditárias fracassaram?

6- Qual a principal característica da forma administrativa conhecida como Governo Geral?

7- Qual o primeiro governador geral e qual foi a sua missão?

8-  O que eram as Câmaras Municipais e o quem eram os homens-bons?

9- Até quando durou o sistema de governo-geral?

10- Faça uma pesquisa sobre a economia do Brasil Colonial informando: principal produto produzido, mão-de-obra utilizada, tipo de propriedade.

11- Leia o texto, o negro na sociedade brasileira e faça um comentário.

domingo, 29 de setembro de 2013

A FAMÍLIA REAL NO BRASIL: ATIVIDADE


Acesse o link http://www.suapesquisa.com/historiadobrasil/vinda_familia_real.htm para responder as questões do 1 até o 5.

1- Por que o príncipe regente de Portugal, D. João, resolveu transferir a corte portuguesa para o Brasil?



2- Como a abertura dos portos às nações amigas favoreceu à Inglaterra?

3- Quais as principais medidas econômicas tomadas por D.João?

4- Por que do ponto de vista cultural o Brasil também saiu ganhando com algumas medidas tomadas por D.João?

5- Por que D. João teve de voltar para Portugal e quem ele deixou aqui em seu lugar?


a) Quem e quando criou o Banco do Brasil?

b) Quando chegou ao fim a primeira fase do Banco do Brasil?

c) Quem foi Irineu Evangelista de Souza e o que ele lançou, de acordo com o texto?

d) Qual foi a primeira fusão bancária da história brasileira?

GUERRA NO ORIENTE MÉDIO



Sabemos que os judeus foram expulsos da Palestina ainda durante o domínio exercido pelo Império Romano. No século VII, os árabes muçulmanos conquistaram muitas terras no Oriente Médio, inclusive a Palestina. Espalhados pelo mundo, os judeus sofreram várias perseguições ao longo da História. Com o fim da Primeira Guerra Mundial e o desmembramento do Império Turco, as terras do Oriente Médio passaram a ser administradas pela Inglaterra e pela França.

Terminada a Segunda Guerra Mundial, a Grã-Bretanha anunciou que em breve retiraria suas tropas da Palestina. Diante disso, em 1947 a Assembleia Geral da ONU, aprovou a partilha da Palestina em dois estados: um judeu e outro árabe.

Em 14 de maio de 1948, os judeus, fundaram o Estado de Israel, que foi imediatamente reconhecido pelos EUA. Considerando-se injustiçados, os países árabes reagiram à criação do Estado de Israel atacando-o militarmente. valendo-se da ajuda vinda do exterior venceu a guerra, ocupando boa parte do território  reservado  aos árabes  no plano de partilha da ONU. 

Desde então, o Oriente Médio tornou-se palco de consecultivas guerras entre judeus e árabes. Tais guerras ocorreram no contexto da Guerra Fria com os judeus sendo ajudado pelos EUA e os Palestinos pela URSS.

Depois de ler esse texto responda as questões a seguir. Responda nos comentários dessa atividade. Não esqueça de pôr  na resposta seu nome e a turma. Em sua identidade clique em anônimo.

1- O que voçê entendeu do texto?

2- Se você fosse um juiz a quem você daria razão nos conflitos árabes-israelenses? Aos israelenses ou aos palestinos? Por quê?

a) O que é uma intifada?
b- Quando e como surgiram as intifadas?

4- Em sua opinião, qual a solução dos conflitos do Oriente Médio?


domingo, 22 de setembro de 2013

ATIVIDADE PARA OS 9°ANOS


1- Copie e preenche as tabelas a seguir


CONFERÊNCIAS
QUANDO ?
ONDE?
PRINCIPAIS DECISÕES
Yalta
Potsdam



CONFLITO
QUANDO?
ONDE?
POR QUÊ?
Guerra do Vietnã
Guerra da Coréia
Crise dos mísseis
Guerra do Afeganistão
Guerra do Yom Kippur
Guerra da Árgelia

2-

ATIVIDADE PARA OS OITAVOS ANOS

Leiam o texto no link http://www.suapesquisa.com/historia/independencia_america_espanhola.htm
 e responda as questões a seguir.
1- Quando e porque começou a brotar um movimento de resistência nas colônias espanholas?
2- Quem eram os criollos?
3- Qual o principal objetivo dos criollos com  a independência da América espanhola?
4- Por que o  processo de independência ganhou força no começo do século XIX?
5- Por que o processo de independência da América espanhola foi violento?
6-  Os novos países independentes se tornaram uma República. Pesquise o que é uma República.
7- Quais os principais líderes do processo de independência da América espanhola?
8- Cite três consequências desse processo.

domingo, 8 de setembro de 2013

PROJETO O INDIVÍDUO E A HISTÓRIA

AULA 2; POLÍTICA, MORAL E ÉTICA

Na aula anterior definimos o que é contexto histórico e esclarecemos que nós podemos intervir no nosso contexto. Na verdade,  o que estudamos em História são exemplos de intervenções que as pessoas fazem no meio em que vive. Independente do status em que os indivíduos ocupam na sociedade, todos fazem essas intervenções. O grande erro do estudo da história é que ela relata, na maioria das vezes, intervenções feitas pelos homens mais importantes de cada sociedade como se o contexto histórico fosse formado apenas por eles. 

No entanto, o ponto principal dessa aula é explicar aos alunos que não podemos  realizar qualquer tipo de intervenção. As intervenções devem ser pautadas em princípios como ética e moral. 

É importante salientar que todos nós somos políticos a partir do momento em que a todo instante estamos tomando decisões e defendendo nossos pontos de vista. Em seguida esclarecer os conceitos de moral e ética. 

A ética é o estudo do comportamento humano em sociedade e a moral é como o comportamento se mostra na prática, no cotidiano. Esse tema dá possibilidade de discutir a corrupção, enquanto qualquer comportamento que corrompe, transgride as normas sociais. Corrupção não é praticado apenas por aqueles que possuem algum cargo público, todos nós no nosso cotidiano podemos ser corruptos.

A aula é encerrada com o professor afirmando que toda intervenção a ser feita deve ser pautada na  ética, para que não prejudique a nenhuma outra pessoa. Toda intervenção que prejudique o outro, ela é mal sucedida e deve ser evitada para que possamos construir uma sociedade cada vez melhor.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

DIVIDIR O GOVERNO PARA EVITAR ABUSOS...

SERÁ QUE DEU CERTO?








Barão de Montesquieu, importante filósofo, político e escritor francês. Nasceu em 18 de janeiro de 1689, na cidade de Bordeaux (França). É considerado um dos grandes filósofos do iluminismo. Ficou famoso por propor a divisão do governo em Poder Executivo, Poder Legislativo e Poder Judiciário. Acreditava que essa divisão diminuiria os abusos de poder daquele governante que sozinho controlava tudo. Dividiu-se o governo, mas os abusos continuam...

sábado, 20 de julho de 2013

PROJETO O INDIVÍDUO E A HISTÓRIA: AULA 1


CONTEXTO HISTÓRICO

Podemos dizer que contexto histórico é apenas "a fase", as condições e aspectos que marcam uma época e que possibilita a ocorrência de fatos específicos. Fatos que, dificilmente se repetem no futuro em iguais condições e aspectos.

Em resumo, contexto histórico é o conjunto de condições que possibilita ocorrência de vários fatos.



Ex1: ILUMINISMO
(movimento cultural da elite intelectual europeia do século XVIII que procurou mobilizar o poder da razão, a fim de reformar a sociedade e o conhecimento herdado da tradição medieval

Contexto histórico do Iluminismo: Desenvolvimento industrial, contestação às monarquias absolutistas e a falta de direitos e liberdades individuais. Contestação também de valores feudais como os privilégios do clero, da nobreza e o misticismo da sociedade.


Ex. 2: PRIMEIRA GUERRA MUNDIAL

Contexto histórico: rivalidades entre os principais. países europeus, disputa por territórios e mercados consumidores


Ex: 3: SEGUNDA GUERRA MUNDIAL

Contexto histórico: crise econômica europeia, regimes totalitários, expansão territorial dos nazistas.


Ex 4: A ATUAL ONDA DE PROTESTOS QUE OCORRE NO BRASIL

Contexto histórico: insatisfação popular em razão da impunidade, altos impostos, gastos com eventos esportivos internacionais, corrupção.


Percebemos facilmente que os fatos são consequências do contexto histórico. Contexto histórico não é algo distante de nós, cada contexto é único e nós podemos intervir nele.


Atividade: Qual o contexto do bairro e (ou) da cidade onde você mora? Quais fatos podem ocorrer por causa desse contexto? O que você pode fazer para intervir no contexto e nos fatos?

terça-feira, 9 de julho de 2013

TEATRO "JULGANDO HITLER": Dicas para os promotores


Acusar Hitler não é uma tarefa difícil, dado todos os crimes que a ele, líder máximo do nazismo, são atribuídos. Para facilitar os trabalhos e a preparação da acusação, seria bom dividir a acusação em três temáticas:

1- A raça ariana: A ideia da superioridade da raça ariana como fator desencadeador de preconceitos: Aqui o promotor vai se concentrar no racismo na perseguição a comunistas, a negros, a homossexuais e aos próprios judeus.

 2- As atrocidades que Hitler cometeu durante a Segunda Guerra Mundial. Aqui o promotor deve citar práticas como as dos campos de extermínio e a morte de milhões de judeus. Deve também citá-lo como o principal responsável pela guerra que se tornou a maior catástrofe da história da humanidade.

3- Os efeitos do nazismo atualmente: Aqui o promotor defenderá que Hitler foi tão nocivo que mesmo depois de morto ainda é capaz causar destruição na sociedade. Essa parte do debate é sobre os grupos neonazistas que saem pelas ruas inclusive no Brasil perseguindo mendigos, homossexuais e negros. 

Boa sorte! qualquer dúvida ou sugestão, pode ser enviado ser comentado  nessa mesma postagem 

TEATRO "JULGANDO HITLER": Dicas para os advogados



Defender Hitler não é uma tarefa fácil. Mas se ele fosse para o tribunal hoje, teria direito a um advogado. Eis aí algumas dicas para vocês então.

Para não haver conflitos, vocês serão divididos em três temáticas:

1: Hitler na Áustria: Quem ficar com esse tema, irá analisar a vida de Hitler ainda na  Áustria, período em que ele era um artista buscando reconhecimento da sua obra. Destaque aqui a sua habilidade e o aparente direcionamento para o bem. Para entender melhor leia o artigo no endereço eletrônico http://www.nuevorden.net/portugues/e_32.html.

2: Hitler durante a Segunda Guerra Mundial: Quem ficar com essa parte defenderá a ideia de que Hitler não cometeu todas aquelas atrocidades sozinho. Ele teve colaboradores e o apoio de boa parte do povo alemão. E ainda que ele fosse o comandante, o povo reunido tinha o poder de tirá-lo do poder, ou não segui-lo tão fielmente.

3: O neonazismo: Quem ficar com essa parte vai usar a existência de grupos neonazistas, mesmo depois de tanto tempo da morte de Hitler e da derrota do nazismo, para reforçar a ideia de que Hitler não foi o único responsável por tudo de ruim que ocorreu na Europa e no mundo. A final de contas, os neonazistas não dependem de Hitler para praticar os atos absurdos que eles cometem. Faça uma pesquisa sobre grupos neonazistas e suas ações, selecione algumas imagens para mostrar no Tribunal

Qualquer dúvida ou sugestão pode ser feita no comentário a essa postagem.

Boa sorte!!

sábado, 29 de junho de 2013

NAÇÃO QUE LUTA



Nas últimas semanas estamos presenciando uma onda de protestos que comprova que o povo brasileiro não é apático quanto a luta pelos seus direitos e que os jovens não são alienados. Ideias que ganharam força nas últimas décadas diante de tantos absurdos presenciados nesse país e a pouca preocupação da juventude em se mobilizar em uma atitude de reprovação ao mesmo tempo em que ela esteve mais envolvida em atitudes aparentemente desprovidas de senso crítico e de interesses políticos.

Basta estudar um pouco a história do país para sabermos que o povo nunca foi apático. No entanto, a expressão "o gigante acordou" é fiel ao atual momento de união em torno de interesses comuns, daí o recorde em número de manifestantes e as comparações a eventos como as "Diretas Já" e "Os caras pintadas".  Até então o gigante estava dividido em reivindicações de determinados grupos como se a briga de uns não fossem a de todos na medida em que cujas conquistas deixariam o país ainda melhor.

E a história mostra a resistência à escravidão tanto de índios quanto dos negros,  a revolta de grupos sociais marginalizados no campo e nas cidades durante a República Velha, a briga dos operários por melhores salários e condições de trabalho iniciadas no mesmo período, a luta das mulheres por igualdade e nas últimas décadas estamos presenciando reivindicações de vários outros grupos que se dizem vítimas de preconceito e exclusão social.  

Onde  teve e tem desigualdade e sentimento de injustiça, também teve e tem luta. A Nação brasileira sempre lutou.

domingo, 16 de junho de 2013

A ORIGEM DA MOEDA


As primeiras moedas foram cunhadas no século VII a.C., na região da Lídia, onde hoje está a Turquia. Cunhar as moedas significava marcar os metais com um símbolo da autoridade responsável, indicando que a quantidade de metal contida na moeda tinha sido devidamente pesada e conferida.

Uma vez adotada na Lídia, a moeda logo foi introduzida no mundo grego. Em cada cidade-estado grega a própria comunidade de cidadãos cunhava as moedas, demonstrando a independência da pólis.


quinta-feira, 6 de junho de 2013

PROJETO: O INDIVÍDUO E A HISTÓRIA

- PROJETO- O indivíduo e a História
- DISCIPLINA: História (prof° Adriano Santos)

1- OBJETIVO GERAL: Discutir a capacidade do individuo de mudar a sua historia e intervir em seu contexto social.

2- OBJETIVOS ESPECÍFICOS:
- Entender o conceito de contexto histórico analisando a nossa realidade;
- Discutir responsabilidade social a partir do conceito de política, moral e ética;
- Desenvolver habilidades e competências que requeiram argumentação, análise e síntese de informações;
- Discutir a importância da auto-estima para o alcance de objetivos individuais e coletivos;
- Entender a importância da História na compreensão da nossa realidade

3- METODOLOGIA

O projeto será desenvolvido em duas etapas. A primeira consistirá em desenvolvimento de atividades intraclasse baseadas em aulas expositivas e debates sobre contexto histórico, política, moral, ética e autodeterminação. A segunda etapa é o estudo de uma personagem cuja importância histórica possibilite identificarmos como o indivíduo é capaz de intervir em sua história individual e coletiva e fazermos um julgamento de sua postura sob o ponto de vista político, ético, moral e autodeterminista. Pela capacidade que teve de mudar a sua história, a de seu país e até mesmo da humanidade, tomaremos como exemplo o austríaco Adolf Hitler. Ao final será montada uma encenação de um tribunal em configurações atuais. A encenação será composta por uma comissão de defesa e outra de acusação além de um juiz que irá direcionar o julgamento.

E expectativa é de que a encenação dure até uma hora e que seja realizada na data prevista reunindo no auditório as quatro turmas mencionadas. Os atores serão alunos previamente selecionados, excetuando-se os jurados que serão sorteados já na encenação. Os promotores e advogados serão treinados mais especificamente, haja vista que precisarão processar um número maior de informações. O referido treinamento consistirá em observação de filmes e leitura de textos impressos e online sobre a vida e obra de Hitler.

4- CRONOGRAMA


Data
Data
Data
Data
Data
Data
Data
Orientação e treinamento dos atores

   X 

  X

  X





Aula 1 - entendendo contexto histórico




  X




Aula 2 - Responsabilidade social:
Política, moral e ética.





  X



Aula 3 – Conquistando objetivos: a importância da autoestima e do planejamento






   X


Encenação – julgando Hitler: Seu contexto, sua moral e sua ética.







  X

5- RECURSOS NECESSÁRIOS

Data show, Xerox, sistema de som do auditório.

6- AVALIAÇÃO

Participação e produção de um relatório sobre as aulas de História e de Artes e a encenação.


sexta-feira, 24 de maio de 2013

O POVO DOMINADO: o voto de cabresto


A rede de dominação exercida pela elite latifundiária ao povo brasileiro durante a República Velha se mostrou extremamente eficiente. Certamente, a Constituição de 1891 contribui enormemente para tal domínio. Ao mesmo tempo em que aboliu o voto censitário, a maioria da população foi proibida de votar por ser formada de mulheres, soldados, religiosos ou analfabetos. E os poucos que podiam votar eram submetidos aos efeitos do coronelismo que tinha como arma o fato de o voto ser aberto ao invés de ser secreto.

O coronelismo foi uma política de compromisso entre os chefes locais e os governos estaduais que beneficiava a eles próprios. Os coronéis   valendo-se do voto de cabresto garantia a eleição do governador em troca de favores.

O povo nunca foi bobo, percebendo que a República não atendia ao seu anseio de mudança e a indiferência aos seus problemas seja no campo ou na cidade, promoveram revoltas em várias partes do Brasil.


             

domingo, 19 de maio de 2013

HISTÓRIA DA ÁFRICA: A TRAGÉDIA DA INTERVENÇÃO EUROPEIA


Até pouco tempo, as pessoas custavam a acreditar que a África um dia tivesse erguido civilizações. Mas hoje sabe-se que o continente africano foi berço da raça humana e o palco de algumas das nossas primeiras expressões culturais. A partir de 1960, o saber sobre os egípcios resgato-os de sua condição "asiática", trazendo à tona a sua face africana. Face, aliás, que já era conhecida pela Grécia, que via as conquistas desse povo como uma dádiva do Nilo, rio que nasce no coração do continente.

Da mesma forma, escritos árabes evocam um rico passado na África medieval. Desde os grandes descobrimentos porém, a África foi sendo desestruturada até a quase total destruição. E isto não por serem os africanos incapazes de construir civilizações, e sim por circunstâncias meramente históricas. 

Certamente, as principais causas dessa desestruturação e as faces das circunstâncias meramente históricas são a tragédia africana do tráfico de escravos e os séculos de exploração econômica exercida pelo principais países europeus.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

O QUE É REVOLUÇÃO?


O termo revolução, à primeira vista, refere-se a toda e qualquer transformação radical que atinja drasticamente os mais variados aspectos da vida de uma sociedade.

A palavra "revolução" é muito usada em nosso dia-a-dia: os celulares revolucionaram as comunicações; a vacina Sabin revolucionou a medicina; os computadores revolucionaram o trabalho nas empresas. O que todas essas frases possuem em comum  é a ideia de uma grande mudança. Assim toda vez que você ouvir a palavra revolução, pensem sempre em mudanças que afetam a vida de milhares ou mesmo milhões de pessoas. As revoluções, no entanto, não ocorrem de um dia para o outro, resultam, geralmente de processos lentos que envolvem muitos fatores. Esse foi o caso da Revolução Industrial.


1- O QUE É REVOLUÇÃO?
2- EM QUE DEVEMOS PENSAR SEMPRE QUE OUVIMOS ESSA PALAVRA?
3- O QUE FOI A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A QUE O TEXTO SE REFERE?
4-  PESQUISE O ANO EM QUE OCORREU AS SEGUINTES REVOLUÇÕES: REVOLUÇÃO GLORIOSA, REVOLUÇÃO FRANCESA, REVOLUÇÃO RUSSA, REVOLUÇÃO CUBANA, REVOLUÇÃO CHINESA, REVOLUÇÃO DE VELUDO.
5- O USO DO CELULAR E DA INTERNET REVOLUCIONOU SUA VIDA? POR QUÊ?


A CONSTITUIÇÃO DE 1891


É o conjunto de leis que regula a vida política, econômica e administrativa de um país, estabelecendo os direitos e responsabilidades dos indivíduos e dos grupos nas diversas instâncias em que se relacionam. É a lei que preside todas as outras leis, por isso ela tem tanta importância.

A Constituição de 1891 esteve de acordo com a nova realidade política do país e ela ficou pronta em fevereiro de 1891. 

Essa constituição transformou o Brasil em uma Federação dividida em vinte Estados e governado por um sistema presidencialista. O voto censitário foi extinto, e instituído o voto aberto. Com isso todo cidadão pode votar e ser votado sem restrições de renda. Porém as mulheres, os analfabetos, soldados, religiosos, índios, mendigos e menores de 21 anos não podiam votar.

O mandato de deputado foi fixado em três anos e o de senador em nove anos.

Os Estados passaram a ter autonomia para fazer suas próprias leis, eleger seus governadores, fazer empréstimos no exterior, decretar impostos e ter à sua disposição as forças militares para a sua segurança. No entanto, o presidente da República tinha todos os poderes de intervir nos estados em caso de movimento separatista, conflitos entre estados e invasão estrangeira. além disso, pode também vetar projetos de leis, nomear ministros, juízes e embaixadores.

1- O QUE É UMA CONSTITUIÇÃO?
2- POR QUE ELA TEM TANTA IMPORTÂNCIA?
3- PESQUISE A DIFERENÇA ENTRE VOTO CENSITÁRIO E SUFRÁGIO UNIVERSAL..
4- A CONSTITUIÇÃO DE 1891 GARANTIU O VOTO DE TODOS OS BRASILEIROS? POR QUÊ?
5- QUANTOS ANOS DURAM OS MANDATOS DE DEPUTADO E SENADOR ATUALMENTE NO BRASIL?
6- A CONSTITUIÇÃO DE 1891 DEU MAIS LIBERDADE AOS ESTADOS? POR QUÊ?
7- FAÇA UMA PESQUISA E DESCUBRA QUANTAS CONSTITUIÇÕES O BRASIL JÁ TEVE.