quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

RATOS QUE VALIAM OURO

   Para acabar com os ratos do Rio de Janeiro e erradicar a peste bubônica que eles transmitiam, o diretor geral da saúde pública, Oswaldo Cruz, teve uma ideia genial. Montou brigadas mata-ratos. A tarefa de cada voluntário era eliminar cinco roedores por dia. Para cada rato caçado acima dessa cota, recebia-se 300 réis do governo!

   Foi uma mina de ouro para os malandros. De olho na recompensa  houve quem se especializasse na criação doméstica de ratos que eram vendidos ou depois de abatidos trocados por dinheiro. Conhecidos pela sua extraordinária capacidade de procriar, os bichinhos devem ter feito o pé-de-mesa de muita gente. Mas o ardil foi descoberto e alguns criadores presos.

Um comentário:

LUCIMAR SIMON disse...

Bora pro congresso nacional, lá tem um criadouro que escapam aos proprios olhos...

E a criatividade do povo não para ne?