sexta-feira, 24 de maio de 2013

O POVO DOMINADO: o voto de cabresto


A rede de dominação exercida pela elite latifundiária ao povo brasileiro durante a República Velha se mostrou extremamente eficiente. Certamente, a Constituição de 1891 contribui enormemente para tal domínio. Ao mesmo tempo em que aboliu o voto censitário, a maioria da população foi proibida de votar por ser formada de mulheres, soldados, religiosos ou analfabetos. E os poucos que podiam votar eram submetidos aos efeitos do coronelismo que tinha como arma o fato de o voto ser aberto ao invés de ser secreto.

O coronelismo foi uma política de compromisso entre os chefes locais e os governos estaduais que beneficiava a eles próprios. Os coronéis   valendo-se do voto de cabresto garantia a eleição do governador em troca de favores.

O povo nunca foi bobo, percebendo que a República não atendia ao seu anseio de mudança e a indiferência aos seus problemas seja no campo ou na cidade, promoveram revoltas em várias partes do Brasil.


             

domingo, 19 de maio de 2013

HISTÓRIA DA ÁFRICA: A TRAGÉDIA DA INTERVENÇÃO EUROPEIA


Até pouco tempo, as pessoas custavam a acreditar que a África um dia tivesse erguido civilizações. Mas hoje sabe-se que o continente africano foi berço da raça humana e o palco de algumas das nossas primeiras expressões culturais. A partir de 1960, o saber sobre os egípcios resgato-os de sua condição "asiática", trazendo à tona a sua face africana. Face, aliás, que já era conhecida pela Grécia, que via as conquistas desse povo como uma dádiva do Nilo, rio que nasce no coração do continente.

Da mesma forma, escritos árabes evocam um rico passado na África medieval. Desde os grandes descobrimentos porém, a África foi sendo desestruturada até a quase total destruição. E isto não por serem os africanos incapazes de construir civilizações, e sim por circunstâncias meramente históricas. 

Certamente, as principais causas dessa desestruturação e as faces das circunstâncias meramente históricas são a tragédia africana do tráfico de escravos e os séculos de exploração econômica exercida pelo principais países europeus.

quinta-feira, 16 de maio de 2013

O QUE É REVOLUÇÃO?


O termo revolução, à primeira vista, refere-se a toda e qualquer transformação radical que atinja drasticamente os mais variados aspectos da vida de uma sociedade.

A palavra "revolução" é muito usada em nosso dia-a-dia: os celulares revolucionaram as comunicações; a vacina Sabin revolucionou a medicina; os computadores revolucionaram o trabalho nas empresas. O que todas essas frases possuem em comum  é a ideia de uma grande mudança. Assim toda vez que você ouvir a palavra revolução, pensem sempre em mudanças que afetam a vida de milhares ou mesmo milhões de pessoas. As revoluções, no entanto, não ocorrem de um dia para o outro, resultam, geralmente de processos lentos que envolvem muitos fatores. Esse foi o caso da Revolução Industrial.


1- O QUE É REVOLUÇÃO?
2- EM QUE DEVEMOS PENSAR SEMPRE QUE OUVIMOS ESSA PALAVRA?
3- O QUE FOI A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL A QUE O TEXTO SE REFERE?
4-  PESQUISE O ANO EM QUE OCORREU AS SEGUINTES REVOLUÇÕES: REVOLUÇÃO GLORIOSA, REVOLUÇÃO FRANCESA, REVOLUÇÃO RUSSA, REVOLUÇÃO CUBANA, REVOLUÇÃO CHINESA, REVOLUÇÃO DE VELUDO.
5- O USO DO CELULAR E DA INTERNET REVOLUCIONOU SUA VIDA? POR QUÊ?


A CONSTITUIÇÃO DE 1891


É o conjunto de leis que regula a vida política, econômica e administrativa de um país, estabelecendo os direitos e responsabilidades dos indivíduos e dos grupos nas diversas instâncias em que se relacionam. É a lei que preside todas as outras leis, por isso ela tem tanta importância.

A Constituição de 1891 esteve de acordo com a nova realidade política do país e ela ficou pronta em fevereiro de 1891. 

Essa constituição transformou o Brasil em uma Federação dividida em vinte Estados e governado por um sistema presidencialista. O voto censitário foi extinto, e instituído o voto aberto. Com isso todo cidadão pode votar e ser votado sem restrições de renda. Porém as mulheres, os analfabetos, soldados, religiosos, índios, mendigos e menores de 21 anos não podiam votar.

O mandato de deputado foi fixado em três anos e o de senador em nove anos.

Os Estados passaram a ter autonomia para fazer suas próprias leis, eleger seus governadores, fazer empréstimos no exterior, decretar impostos e ter à sua disposição as forças militares para a sua segurança. No entanto, o presidente da República tinha todos os poderes de intervir nos estados em caso de movimento separatista, conflitos entre estados e invasão estrangeira. além disso, pode também vetar projetos de leis, nomear ministros, juízes e embaixadores.

1- O QUE É UMA CONSTITUIÇÃO?
2- POR QUE ELA TEM TANTA IMPORTÂNCIA?
3- PESQUISE A DIFERENÇA ENTRE VOTO CENSITÁRIO E SUFRÁGIO UNIVERSAL..
4- A CONSTITUIÇÃO DE 1891 GARANTIU O VOTO DE TODOS OS BRASILEIROS? POR QUÊ?
5- QUANTOS ANOS DURAM OS MANDATOS DE DEPUTADO E SENADOR ATUALMENTE NO BRASIL?
6- A CONSTITUIÇÃO DE 1891 DEU MAIS LIBERDADE AOS ESTADOS? POR QUÊ?
7- FAÇA UMA PESQUISA E DESCUBRA QUANTAS CONSTITUIÇÕES O BRASIL JÁ TEVE.

segunda-feira, 13 de maio de 2013

O MESSIANISMO NO BRASIL

Na tradição religiosa cristã, a palavra Messias significa "salvador", aquele que foi consagrado por Deus para trazer uma vida melhor aos seguidores. Para os cristãos, esse Messias é Jesus Cristo, considerado o filho de Deus e que nasceu na Palestina há mais de dois mil anos.

No século XIX, a crença de que um messias retornaria à Terra e traria o bem-estar aos necessitados encontrou um grande número de adeptos no interior do Brasil, onde vivia uma população extremamente pobre. Isso permitiu o surgimento de um movimento messiânico na Bahia articulado em torno de um beato conhecido como Antônio Conselheiro.

A situação de pobreza e injustiça social também possibilitou um outro movimento messiânico, dessa vez na Região Sul do país. o monge José Maria, no início de 1912 reuniu ao seu redor doentes e familiares, antigos federalistas e marginalizados.

Canudos e Contestado  não foram, no entanto, os únicos movimentos sociais de cunho religioso ocorridos no Brasil. No século XIX, aconteceram outros movimentos messiânicos, como a Revolta da Serra do Rodeador (1817-1820) e a Revolta do Reino da Pedra Bonita (1838), ambas em Pernambuco, e a Revolta dos Mucker (1868-1878), no Rio Grande do Sul.

quinta-feira, 9 de maio de 2013

O ALCORÃO

O LIVRO SAGRADO DOS MUÇULMANOS

Maomé não deixou nada escrito. Alguns dos seus seguidores, porém, anotaram o que ele dizia em suas pregações. Após sua morte, Abu Bakr, sucessor imediato de Maomé, ordenou que se reunissem todas as anotações, as quais estavam espalhadas por diferentes lugares.

Assim, duas décadas após a morte do líder árabe, havia a versão do Alcorão considerada definitiva. Ao todo, o Alcorão possui 114 suras (capítulos) e mais de 6200 versículos. 

O livro sagrado dos muçulmanos foi traduzido para muitas línguas. Crianças ainda, os muçulmanos se dedicam a sua leitura.